domingo, 28 de junho de 2009

PAPEL DE PÃO



Não sei aonde estava com a cabeça,

Quando decidi escrever nossa história em blocos de rascunho...

Devia logo ter escrito em guardanapos de bar...

em papel de pão...

Também, os papeis de pão, eram aqueles de antigamente,

Tipo papel manilha, mais grosso...

Hoje, teria sido em sacos, multi grafados...

Não teria dado certo, os tempos são outros...

Digamos, que hoje estamos na idade do saco,

Não do papel... de pão...

Ah, deixa pra lá...

Papel ou saco, agora é tudo igual...

Queria mesmo é ter deixado nosso amor perto só de nós mesmos...

Mas, acho que ficou tudo muito restrito a nós dois...

Devia ter anunciado nos jornais, contado pra todo mundo,

Colocado em outdoor, bem na frente da minha casa,

Da sua casa... espalhado pelo bairro...

Pela cidade, teria sido melhor...

Também, quem iria conhecer nós dois nesse mundão de cidade?

Enfim, o bloco de rascunho, acho que deixou um ar de não me importa...

Um ar de deixa pra lá, e você aproveitou...

E foi... embora...

Aliás, pensando melhor... acho que você não queria era ficar...

Rascunho, papel, saco... nada teria sido diferente,

Você veio, deitou, rolou... levou pra si o que eu tinha de melhor...

Mas, foi o de pior que te afastou?

Não... você teria ido mesmo assim...

Afinal, nem o melhor, nem o pior te afastaria,

Se realmente quisesse ficar...

Tola fui eu, achar que ficaria,

Na verdade você nem chegou... passou...

Só passou, e continuou seu caminho,

Parada fiquei eu, na ânsia, no teu olhar, no teu cheiro,

No teu cio...

E você nem estava lá...

E agora o que faço eu?

Nem sei mais se uso agora vírgula, reticências,

Ou será ponto final?

Vera Celms


domingo, 21 de junho de 2009

NÃO É PSICOLÓGICO...


Gosto da forma como me olha,

Sutil, discreto, insinuante,

Gosto da forma como me trata,

Sinto-me uma princesa,

Uma estrela radiante que passa, quase despercebida,

Gosto, da forma como me deseja,

Com os olhos, com os sentidos,

Gosto da forma como chama minha atenção,

Incisivo, latente, lascivo,

Ainda que ‘distraído’!

Ainda que nem se insinue, impossível não te ver,

Impossível não querer estar contigo,

Impossível não querer ser desejada,

Sinto, como chamo sua atenção,

Mesmo que não seja proposital,

Impossível não querer passar,

Parar no seu caminho,

Onde possa estar ao seu alcance,

Dos olhos, do beijo, das mãos...

Gosto como demonstra me notar,

Sentado ao meu lado, vibração tão incontestável,

Gosto como atiça meus olhos,

Gosto como busca minhas palavras,

Sei que o quer não se anuncia,

Posso não admitir o meu desejo,

Mas, impossível não assumir que quero me perder,

E me achar nos seus lábios,

Enquanto pronuncia meu nome...

Velada e repetidamente...

Vera Celms


domingo, 14 de junho de 2009

SUA, PRA SEMPRE



Faz tanto tempo...

Décadas inteiras, muito tempo,

Não tempo demais,

Tanta coisa aconteceu na vida,

Tantos caminhos trilhamos,

Diversos, outros, tantos,

O mundo deu voltas,

Saiu de lá, viajou, rodou, virou e voltou

O vácuo do estômago foi sempre constante,

As emoções sempre fizeram vibrar o sangue,

O peito, o coração,

A alma sempre ficou inquieta,

Na sua presença, na iminência de você,

Parece não caber no corpo,

Parece estreita pra tanta emoção,

Que em avalanche vem,

Derruba, desmonta, desequilibra,

Sem nada tirar do lugar,

Tudo isso, sempre esteve aqui,

Dormiu por algum tempo,

Em compasso de espera,

Em stand by constante

Bastava seu nome,

Bastava sua existência ser lembrada,

E o coração sempre disparou,

Louco amor esse nosso amor,

Faz tanto tempo que talvez já tenha esquecido,

O quanto fui importante,

E o quanto gostaria de voltar a ser,

Prioridade na sua vida, já sei, nunca mais,

Prioridades são outras,

Outras histórias, ou uma só história,

Outras pessoas,

Mas, a minha prioridade, em relação a amor,

É VOCÊ...

Gostaria de ser pelo menos hoje,

Um pouco mais importante,

Um pouco mais inesquecível,

Um pouco mais eterna,

Já que a nossa história será pra sempre sua, nossa,

Nossa ETERNAMENTE!!!

SEMPRE SUA...


domingo, 7 de junho de 2009

CONSTERNAÇÃO


Foi uma profunda consternação...

Uma catástrofe,

que afasta pessoas,

que desaba emoções,

que derrubou sonhos,

lágrimas, palavras...

o Brasil, o Mundo em estado de oração...

todos rezam juntos,

ainda que, por impossível que seja,

tentam entender os caminhos do céu...

não do céu navegável que os afastou, todos...

mas do céu, além do azul...

cheio de pensamentos, repleto de vibrações...

Que Deus entenda cada perda,

que receba cada filho,

que apazigüe cada coração,

ido ou simplesmente em stand by,

aqui na Terra... esperando notícias,

aguardando um milagre,

pedindo a este mesmo Deus,

que conceda retorno a cada ente,

a cada intenção... a cada coração...

ainda que não tenhamos perdido ninguém

esta catástrofe pertence a cada um de nós,

solidários na dor...

em oração... em vigilha de alma,

pedindo paz... pedindo aceitação...

Que DEUS seja louvado,

e que cada vítima seja acolhida no colo divino,

e no pensamento de cada um de nós...

e as famílias e amigos e amores,

resignação... são os caminhos insondáveis

do céu... onde todos nós nos encontraremos um dia...

NOSSA SOLIDARIEDADE A TODOS AQUELES QUE PERDERAM ALGUÉM ...

CONTEM COM AS NOSSAS VIBRAÇÕES...


Vera Celms