domingo, 27 de setembro de 2009

FASES


Tudo tem dois lados,

Toda história tem duas versões,

A sombra só existe na luz,

Verdade e mentira,

Paz e guerra,

Bem e mal...

Dentro de nós, seres humanos,

Existem momentos e argumentos,

Nem todo mundo tem o que nos dizer todo o tempo,

Porque nós somos um a cada momento,

A cada movimento,

Existem momentos em nós, que buscamos liberdade,

Outros em que a liberdade pode representar solidão,

Momentos em que a sombra passa a ser escuridão,

E um flash pode representar saturação,

Situações em que a chuva arrefece,

e outras em que nos aborrece,

O riso pode ser alegria numa situação,

E no outro provocação,

Lagrimas podem ser emoção,

Estresse ou comoção,

Como música, que nos alegra,

Ou nos sossega,

Água para a sede,

Para o sono, rede,

Há pessoas que tem assunto,

Outras para ir daqui ali, dão a volta ao mundo,

Pessoas que só completam o espaço,

E pessoas que preenchem nossas lacunas,

Pessoas que abrem a boca em risadas e insultos,

Outras, boas palavras, acalantos e tantos assuntos,

Não que não tenham nada a dizer,

Mas as vezes só têm a oferecer o que não queremos,

Ou o que não precisamos ouvir,

O que não é relevante,

Ou o que não nos é importante,

Não lhes tiremos o valor,

Só devemos fazer ouvidos de mercador...

Tenhamos então, ouvidos de ouvir

Àqueles que têm o que nos dizer...

Vera Celms


quarta-feira, 23 de setembro de 2009

GRINALDA NATURAL

Abri a janela hoje,

E uma flor sorriu pra mim,

incrédula fechei a cortina,

como quem fecha os olhos

esfreguei-os como quem não despertou,

ao abri-los novamente,

uma flor sorriu pra mim!!!

E era de verdade ...

E não era só uma...

Eram várias, a florada toda sorridente

Me fazendo também contente

As abelhas quase dementes

E o jardim, como meus olhos, estava em festa!

Era uma felicidade honesta!

Era tanta cor, era tanta beleza, e tanta flor!

Era a natureza toda aberta!!!

Em cada pétala um encantamento

O céu tão azulzinho e o sol avermelhado,

Um casamento perfeito...

Era um verdadeiro santuário

Cultuado por fadas,

Duendes e borboletas contentes

A terra ainda úmida da chuva da madrugada

Deixava cada folha molhada

Deixava o ar limpinho,

A manhã nasceu lavada!

Meu Deus! Que rara inspiração!!!

Que maravilhosa visão,

Corri para o armário

Consultei o calendário,

descobri o motivo daquela quimera

22 de setembro,

COMEÇOU A PRIMAVERA!!!

Vera Celms

Licença Creative Commons
A obra GRINALDA NATURAL de Vera Celms foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.

domingo, 20 de setembro de 2009

OLHOS DE POETA



a você que náo conheço,

e que fantasia olhos que não tenho,

que projeta sonhos que não sonho,

que espelha nas minhas palavras os

seus desejos, e nelas se

reconhece,

que de mim conhece o cheiro, sem

conhecer ao menos minha pele,

posso te contar quem sou,

porém, como sou, só você vai poder

descobrir.

porque cada um de nós, no outro, é

mais um que nem nós mesmos

conhecemos...

VERA CELMS


RODA VIVA - CHICO BUARQUE E MPB4... 1967

domingo, 13 de setembro de 2009

ENTARDECER...



Das paixões que trago da vida,

Não guardo rostos, perderam-se no tempo,

Guardo o cheiro das manhãs...

Guardo o silencio do amor na madrugada,

Guardo a ansiedade pela chegada nas noites de Lua cheia,

Algumas palavras, ainda que ásperas,

Outras, de tão doces, infiéis...

Algumas juras desleais,

Muitos sorrisos, risos poucos...

Algumas lágrimas transformei em pingentes,

Para aprender a não tocar nas ostras...

Foram tão poucos amores!

Alguns tão efêmeros, se revelaram paixões,

Os poucos que ficaram, tão raros, desses eu guardo,

Como verdadeiros diamantes,

Os momentos, os beijos, os prazeres,

Palavras todas,

Os toques ainda tenho pelo corpo,

Nos olhos ainda tenho o brilho,

Cheiros, brisas, suores,

Temporais, fotógrafos da posteridade,

Mas desses, eu não tive manhãs a recordar,

Nem madrugadas, que não fossem insones por solitárias,

Dias e noites gravados na memória,

Como tatuagem...

Trazidas na viagem,

E saudade, muita saudade,

Aliás, só saudade...

Dos vácuos no estômago,

Dos queimores da proximidade,

Dos suores nas mãos geladas,

Dos rubores das faces,

Do corpo e das saias inquietos,

Dos planos e das fantasias,

Das estrelas que carregava no sorriso e no olhar...

Com estandarte... sempre...

Saudade do levitar de paixão,

De tesão,

Saudade de cada entardecer...

Vera Celms


EU ASSISTI A TUDO ISSO...TESTEMUNHA DA HISTÓRIA DOS "ANOS DE CHUMBO"

domingo, 6 de setembro de 2009

CORAÇÃO DISTANTE




Gostaria de saber falar coisas lindas pra você,

de colher as mais belas palavras no meu idioma,

e te entregar, aos ouvidos, aos sentidos,

ao arrepio da sua pele,

ao pulsar do seu coração,

mas hoje, só posso degustar suas palavras,

Senti-las com os olhos curiosos e repletos de alegria

Com o peito calado,

com a voz emudecida,

Lisongeada com seus doces elogios,

Apaixonada por alguém que nem conheço,

Por alguém que chega lá do outro lado do mundo,

Com as palavras carregadas de mel,

Com os olhos brilhando por uma imagem.

Capaz de atravessar fronteiras,

De imaginar o calor da minha pele,

O perfume dos meus cabelos,

O rubor das minhas faces,

De mostrar na masculinidade do seu toque,

A sensibilidade do cavalheiro,

Do homem, capaz de mudar o Universo de lugar,

Para estar perto da mulher amada...


Vera Celms