domingo, 30 de janeiro de 2011

LUZ QUE NÃO SE APAGA


Dádiva,

Elemento natural da alma,

Fogo que arde brando,

Incessante, perenemente,

Ora manso, ora vibrante,

Ora claro, ora nebuloso

Fraco como uma lanterna na escuridão,

Ofuscante como um holofote próximo,

Vem do céu,

Do âmago,

Vem da alma,

Alguns não acreditam,

Outros negam,

Há quem duvide

É da natureza humana,

Fortalece os corações,

Ilumina o olhar,

Tem luz própria,

Renova o espírito e as forças

É pira incandescente

Move montanhas,

Derruba obstáculos,

Modifica a direção dos ventos,

Faz possível o inacreditável,

E impossível o profetizado,

Esperança; é da natureza humana,

A luz que não se apaga, nunca...

Vera Celms


Licença Creative Commons
A obra LUZ QUE NÃO SE APAGA de Vera Celms foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.

domingo, 23 de janeiro de 2011

SÓ PALAVRAS


Palavras são fantasmas,

Que passam por nós,

Sem causar efeito,

Sem causar impressão,

As vezes, nem sensação,

São aquelas que o vento leva

mas, nem as vemos

Não podem ser tocadas

Mas, danadas, as vezes tocam

Desferidas não tem retorno

Contorno talvez

Podem ser lindas,

Horrendas,

Duras e cruéis,

ou doces e melosas,

e, se simplesmente ditas,

não deixam vestígio,

rastro,

Valem como prova,

mas, por si, nada provam,

Precisam de instrumento,

Além da harpa glótica

tão sutil,

Soltas no ar nada são,

Mas, que efeito podem causar...

Ditas e não ouvidas,

Ouvidas e relevadas,

Mal ditas,

Bem ditas,

Malditas benditas palavras

Vera Celms

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

ASA PARTIDA - FAGNER - (1976)



Comentário abaixo do vídeo no Youtube, começa assim: Raimundo Fagner Cândido Lopes (Orós, 13 de outubro de 1949) é um cantor, compositor, instrumentista, ator e produtor brasileiro.

domingo, 16 de janeiro de 2011

MINHA AMIZADE

Conte com a minha amizade, SEMPRE...
Quando precisar, ou só quiser...
Se sentir saudade... ou estiver sozinho...

Lealdade, vai de brinde...
Carinho também,
Conte sempre comigo,
cumplicidade faz parte do pacote,
Eventualmente algumas lágrimas,
ocorrerão no percurso
Algumas boas gargalhadas também,
Muitos, inúmeros, infindáveis sorrisos
Tantas lembranças, que terá dificuldade de carregar,
mas, reparte comigo, carrego contigo
As tuas feridas, se não puder curar,
soprarei após medicar, para que não doam muito,
Seus esparadrapos, curativos da vida,
trocarei sempre...
Manterei o lugar sempre limpo,
sem virus, nem inflamações,
sem alagamentos,
nem secas severas,
Regar sempre,
Podar de vez em quando; mas, só quando precisar,
para que renasça mais forte,
E se a tua cruz estiver pesada demais,
meu amigo,
prometo, ao pé me esconder e aliviar o peso,
o quanto puder...
Conte sempre comigo meu amigo...

Vera Celms

Amor em 4 Atos com Vladimir Brichta 14/01/11 Parte 1

Amor em Quatro Atos - Episódio do dia 14/01/11 - Parte 2

Amor em 4 Atos com Vladimir Brichta 14/01/11 Parte 3

sábado, 15 de janeiro de 2011

Amor em 4 Atos com Alinne Moraes 13/01/11 Parte 1/3

Amor em 4 Atos com Alinne Moraes 13/ 01/11 Parte 2/3

Amor em 4 Atos com Alinne Moraes 13/01/11 Parte 3/3

Amor Em Quatro Atos - Episódio do dia 12/01/11 - Parte 1

Amor em 4 Atos com Carolina Ferraz 12/01/11 Parte 2/3

Amor em 4 Atos com Carolina Ferraz 12/01/11 Parte 3/3

domingo, 9 de janeiro de 2011

AMO AMAR VOCÊ (Indriso)


Amo acordar do teu aconchego, pela manhã,

Pensando em você, procurando você,

Me entregando, alma corpo e coração,


Amo estar ao teu lado, contigo, em ti,

No teu colo, no teu peito, na tua mão, sob tua proteção,

Entregue ao teu amor, na tua cumplicidade,


Amo dizer, escrever, desenhar, repetir teu nome ao mundo,


Te olhar, te ver, te ter, me dar, amo amar você!!!


Vera Celms

domingo, 2 de janeiro de 2011

VÍCIO DE VOCE

Estou mau acostumada,

Mal intencionada,

Malcriada,

Mal podendo esperar sua chegada,

A madrugada insone,

Sem você, é madrugada impune,

Gosto da culpa de amar você

Apesar de todas as convenções

serem contrárias,

Gosto dos avessos,

Das contramãos

Das contrapartidas

Das contravenções

Gosto de você,

Todo errado, mau acostumado

Moleque, lobo menino

Madrugada vazia sem você,

Mas preciso aprender,

A deixar esse vicio de você...

Vera Celms