domingo, 12 de agosto de 2012

REINVENÇÃO DE MIM

   foto colhida na Internet

Abraço a sua nudez tão anônima
Exposta a quem tiver olhos
Lascivos pedintes olhos molhados
Procuro poder ouvir
Entre confissões e versos livres
Não faço estrofes
Não faço troças
Nem rimas
Não gosto de métrica
Não sou pudica
Não durmo em redes
Não me debruço em janelas alheias
Minhas pernas não se cruzam
Não me distraio, não saio a francesa
Assumo-me, comando-me,
Bato em retirada
Volto se e quando me aprouver
Se volta houver
Senão, caio no mundo
Saio de cena
Quebro a cara
Fecho a casa
Apago todas as luzes
Durmo... desperto,
Levanto e dou a volta por cima
Reinvento-me, refaço-me,
Recomeço
Sempre foi assim
E agora, não seria diferente...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho REINVENÇÃO DE MIM de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que achou?