domingo, 27 de janeiro de 2013

QUADRADICE





Pego todas as suas formalidades,
Endosso os comentários de chatice,
Adoço o papo pra segurar mais um pouco,
Nada vai...
Jogo café... dormi...
Jogo vodca, estragou a bebida,
Suco de laranja, ficou azedo demais,
Tomei seus comentários,
Usados, por puro desconhecimento de mim,
Misturei com o desinteresse que driblei,
por tanto tempo,
Fiz ouvidos de mercador,
Para só algumas observações,
Me fingi de morta,
Mas, você veio me cutucar,
Com seus valores formais
Borrifei minha paciência,
Com suas atitudes impensadas,
Pelas quais brigou comigo, sem razão,
Sem noção...
E minha paciência, derreteu toda,
Aí vi, que não tinha jeito...
Tanto tentei me aproximar,
E no momento,
Em que seu interesse aumentou,
Aumentou também meu olhar,
do "cuida"  da minha vida...
O que eu posso querer?
Com a sua mania de pobreza,
Com a sua pena de si mesmo,
Com o seu monte de problemas,
que não quer resolver?
Emprestar meus ouvidos?
Minha atenção?
Desculpa...
Dessa vez, fui eu, talvez a injusta,
Bloqueei você na minha lista
Já que não a usava há tanto tempo,
E fiz o que, por muito menos,
Já fizeram comigo...
Sumi... fazer o que?
Contra a sua quadradice
Eu sumo...


Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho QUADRADICE de
Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que achou?