domingo, 18 de janeiro de 2015

SUGESTÃO INDECENTE





Queria conhecer teu rosto,
Saber a força do teu olhar,
O poder do teu sorriso
A sedução do teu másculo toque,
Cavalheiro distante,
Que murmura no meu caminho,
Canta-me melodias sugestivas,
Fala-me palavras que atiçam,
Mas, a distancia, essa danada,
Não permite que me toque...
Até quando, será só uma sugestão indecente?

Vera Celms
Licença Creative Commons
SUGESTÃO INDECENTE de Vera Celms está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

CIDADÃO DO MUNDO






Não quero poderes de deus,
Não quero reinventar o sopro
Nem cristalizar a vida,
Quero subalternizar a felicidade
E eternizar o momento
O sorriso, o olhar, a emoção,
Ainda que triste,
Ainda que cabisbaixo,
Mas, a procura do próximo movimento,
por derradeiro que seja,
E recebê-lo marejado,
Estupefato, indignado, surpreso,
Odiando, descartando,
Procurando o próximo e o próximo movimento, esperneando,
Fazendo parte, sendo parte, partilhando,
Quero ser, ainda que por um momento,
A tentativa da saudável vaidade,
Ver o mundo batendo no peito e dizendo: é meu...
Sou do mundo,
Viramundo,
Vagabundo do bem, mais por retórica que qualidade,
Assisto o mundo, da primeira fila,
Interajo, chamo, provoco, assovio,
Passo a mão na bunda dele, e sorrio,
E se Deus entrar em cena, saltarei para recebê-lo,
cheio de orgulho, de ser cidadão do mundo...
Sem capuz, sem elmo, nem boné,
E certamente, sem touca também,
com a maquiagem retocada...

Vera Celms
Licença Creative Commons
CIDADÃO DO MUNDO de Vera Celms está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

MEU MEIO QUADRIL





Pequenina, me chamavam menina,
Crescida, me chamam mulher,
A pessoa que mora cá dentro,
É a mesma de mim...
Os movimentos andam limitados,
O pensamento continua voando, como aprendi,
Ilusões, deixei como referencias do passado
Fé, mantive acesa, por toda a caminhada,
como lanterna,
como migalhas de pão pra não me perder na volta
Esperança, veio cobrir a falta de ilusões
Vou vivendo como bem me apraz,
Não dou satisfações, talvez alguma informação,
Apesar do retorno de meio quadril,
Ainda respiro sôfrega em longas caminhadas,
Logo o quadril estará inteiro,
Então, vou aproveitar a experiência da caminhada,
E vou logo sair voando...

Vera Celms
Licença Creative Commons
MEU MEIO QUADRIL de Vera Celms está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.