domingo, 28 de junho de 2015

COLCHA DE RETARDOS



Se temos a vida para viver
Temos o mundo para morar
Há muito e aonde se esconder, ou se mostrar
Dor é território privado
Cada um, dói de si,
Vou até onde quero
O precipício pode comigo flertar
A aproximação, decido eu
Dou-me o direito de fechar
A porta, a tela, a cara,
Cinza, existe em todo lugar,
Cabe a mim, fazê-lo brilhar, ou fenecer
Ao sol, purpúreo ou não
Sob fog intenso, se entender
Não se doam nuvens
Nem sonhos
Nem finais felizes,
gloriosos ou contundentes
A porta de saída, é sempre a mesma,
E do fundo do poço,  é pra cima...

Vera Celms

Licença Creative Commons
COLCHA DE RETARDOS de Vera Celms está licenciado com uma Licença 
Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

sexta-feira, 12 de junho de 2015

VALANTINES DAY







Dia de sonhar,
Lembrar, relembrar, transcender,
Comemoro sem ti, com vontade de você,
Comemoro o que conheci,
O que vivi,
O que nunca esqueci,
Amor pra sempre,
Teu romance não é meu,
Ou é meu o romance e não a realidade,
Sei que sonha,
Sei que lembra,
Sei que moro no lado escuro do seu pensamento,
Conformada e escondida,
Conformada em estar sozinha,
Mas sei, que nas tuas divagações, transito, levito,
Celebremos em sonho, em pensamento,
Mais uma vez, na gaveta de um dia,
Te amo sempre,
Te quero,
Sempre te quis...

Vera Celms
Licença Creative Commons
VALANTINES DAY de Vera Celms está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.